VAMOS OUVIR AS SUAS HISTÓRIAS

Atualizado: Out 6

Agosto é um mês de grande importância para a comunidade lésbica. Dia 19 é o dia do orgulho lésbico e dia 29 é o dia da visibilidade lésbica.

Nesse ano de 2020, tão desafiador e doloroso que estamos vivendo, não bastaria alertar para os direitos das mulheres, para luta e mobilização que foi incluir o L no início da sigla LGBT, não seria suficiente alertar dos perigos da violência machista que não aceita que mulheres não gostem de homens e se relacionem com outras mulheres.

Não bastaria porque tempos difíceis como esse devemos olhar para a história das mulheres lésbicas e lembrar que apenas pelo fato de termos a possibilidade de conhecer essas histórias é um sinal de resistência, que ultrapassa o tempo, a história e o apagamento opressor patriarcal.

Então, em homenagem ao mês de agosto, que celebra o orgulho e a visibilidade lésbica, vamos celebrar algumas escritoras lésbicas, agradecendo, reverenciando e inspirando suas existências.

Vamos começar pelo silêncio quebrado de Audre Lorde, escritora norte americana, de descendência Caribenha, autora de “Outsider sister” e “Your silence will not protect you”.

https://www.geledes.org.br/nao-existe-hierarquia-de-opressao/

“Eu nasci negra e uma mulher. Estou tentando me tornar a pessoa mais forte que consigo para viver a vida que me foi dada e ajudar a efetivar mudanças em direção a um futuro aceitável para o planeta e para minhas crianças”

Sua trajetória de vida foi de militância pelos direitos humanos, principalmente das mulheres negras. Em entrevista sobre o livro “Outsider sister”, coloca:

“E nos lugares em que as palavras das mulheres clamam para ser ouvidas, cada uma de nós devemos reconhecer a nossa responsabilidade de buscar essas palavras, de lê-las, de compartilhá-las e de analisar a pertinência delas na nossa vida. Que não nos escondamos por detrás das farsas de separação que nos foram impostas e que frequentemente aceitamos como se fossem invenção nossa.”

A sua voz dá vida às suas experiências e ela clama por ouvir outras mulheres, se coloca como negra, lésbica, mãe e poeta, foi uma ativista pelo fim das múltiplas opressões que sentia e das que tinha conhecimento.

No Brasil, Cidinha da Silva, também rompe o silêncio, escritora com grande sensibilidade que escancara as relações humanas, possui uma produção diversa, passando por vários gêneros, como literatura infantil, crônicas, poesias.

Em seu livro “Canções de amor e Dengo” ela avisa:

“Podem me catalogar como quiserem. Apenas não esperem que eu vista as roupas que me dão. Ou entre em caixinhas por vontade própria”.

E para nos encher de poesia e coragem, deixo aqui as palavras da artista Ryane Leão, autora dos livros “Tudo nela brilha e queima” e “Jamais peço desculpas por me derramar”:

meu recado às mulheres

contem

suas histórias

descubram o poder

de milhões de vozes

que foram caladas

por séculos


REFERÊNCIAS

https://www.instagram.com/p/CB_wQgWJoe8/

https://margens.com.br/2019/08/29/autoras-lesbicas-marginais-para-voce-conhecer/

https://www.geledes.org.br/10-livros-imperdiveis-sobre-vivencia-lesbica-escritos-por-lesbicas/

https://www.geledes.org.br/nao-existe-hierarquia-de-opressao/

https://medium.com/todxs/representatividade-lesbica-literatura-lista-autoras-6eb332d25c8f

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/08/25/cultura/1503684236_020478.html


Cristiane Duarte

Advogada feminista, atuante na área de direito de família e na defesa dos direitos das mulheres.

14 visualizações

Endereço:
Rua Doutor Enéas de Carvalho Aguiar, 237 - Jardim América

Fone: (16) 3325-1888
Cel.: (16) 99451-4774
Email:  contato@centrodeestudosfridakahlo.com.br

Quer saber mais?

Fone: (16) 3325-1888

Cel.: (16) 99451-4774